Sabia que ...

Sabia que ...

O ano dos vencedores morais e os vencedores oficiais


Na década de 60 a Ferrari dominava as provas de carros de Sport e a Ford tentou comprar a equipa italiana, essa compra esteve particamente concluída, mas Enzo mudou de opinião na hora de assinar o acordo. Entretanto a Ford prometeu humilhar a Ferrari no seu terreno de eleição, para isso construiu e desenvolveu o Ford GT40.
Na edição deste ano (1966) Denny Hulme e Ken Miles fizeram uma prova inteligente, comandaram em doze das 24 horas de prova e, devido ao avanço conquistado, reduziram um pouco a velocidade nas últimas horas. Isto permitiu a aproximação do segundo carro de Shelby, o de Chris Amon/Bruce McLaren e, como a terceira posição era ainda pertença de outro Ford, de Holman Moody com Ronnie Bucknum/Dick Hutcherson, os responsáveis da Ford idealizaram uma chegada bombástica, em termos de publicidade: fazer os três carros cortarem a linha de chegada em formação - tipo V - o célebre V da vitória e derrotando a Ferrari, que o seu melhor carro terminaria na oitava posição, o 275GTB de Roy Pike/Piers Courage a 48 voltas.
Os carros 1 e 2 estavam na mesma volta, distânciados de muitas centenas de metros. A Miles/Hulme é sinalizado, das boxes, que reduzam o andamento para "esperarem" por Amon/McLaren e Bucknum/Hutcherson, e assim terminarem em formação. E terminaram. Com o carro 2 à frente, seguido do 1 e do 5.
Até aqui tudo "bem", e o final da prova teve 2 versões:
- A distância que separava o carro 1 do 2, à chegada, era inferior em vinte metros ao que os separava na linha de partida. Logo, logicamente, e por força de um regulamento próprio de Le Mans, ao fim de 24 horas de prova o carro de Amon/McLaren tinha percorrido mais 20 metros que Hulme/Miles. E como a classificação era pela distância percorrida a vitória foi dada ao carro nº2. Esta versão tem sido muito divulgada, mas há outra...
- A segunda versão, e a correcta é que o carro nº2 de Amon/McLaren ultrapassou na linha de meta o carro nº1, isto pode ser visto em vídeo como por ex:
Les 24 heures du Mans 1966 (YouTube)
Album Fotográfico Equipa: 2/1966

onde se pode ver nitidamente que o carro preto parte de trás e corta a meta em primeiro.
Miles e Hulme não gostaram. Tinham reduzido o andamento por indicação superior das boxes e automáticamente acusaram os dirigentes da Ford de os terem posto no segundo lugar, pois que, pessoalmente, desconheciam essa "rábula" do regulamento. A Ford foi acusada de ter atraiçoado o seu piloto mais sacrificado, não ter reconhecido os seus desejos de vitória tripla de "endurance" (*) e ter procurado ganhos publicitários com os nomes de Chris Amon e Bruce McLaren, dois nomes muito conhecidos mundialmente, da Fórmula 1, em prejuízo da melhor equipa. Muito se escreveu sobre o assunto e, ainda hoje, de concreto pouco se sabe. Os responsáveis da Ford afirmaram não saberem de tal subtileza do regulamento (versão 1) e assim atiram a responsabilidade da decisão para cima da Organização.

(*) - Daytona, Seabring e Le Mans.


Luis Santos

Facebook