Sabia que ...

Sabia que ...

Anos 60.... 24 Horas Le Mans 1967 (1)


O Ford que terminou em 1º lugar, a partir de determinada altura começou a largar partes da carroçaria, de forma perigosa pois até o próprio capôt traseiro estava em risco de sair (colocando em risco os restantes concorrente e até o próprio público que assistia...). Foram colando tudo com fita adesiva. O regulamento era claro quando dizia que o automóvel deveria terminar a prova com a carroçaria intacta, sem "retalhos". Nada foi feito pela organização...
Nesta altura não se falava (no caso da Ferrari) em treinos preparatórios para as grandes provas, simplesmente porque não havia meios para isso. Era tudo testado e posto à prova durante as corridas. Só para as 24 Horas de Daytona (67) é que a Ferrari conseguiu fazer uns treinos privados no traçado americano. Quem financiou? Não, não foi a Fiat nem outra entidade mais ou menos estatal. Deveu-se ao SR Eugenio Dragoni (ele que tinha sido director desportivo na Ferrari, mas que nesta altura já tinha cessado essas funções que ajudou com fundos próprios).
Por tudo isto também, à parte toda a componente técnica e o desempenho brilhante do P4, acho este um dos Ferrari símbolo. Da combatividade, do arrojo de uma pequena equipa (eram 26 elementos da equipa Ferrari contra os cerca de 150 da Ford...) que não recuou em lutar contra um colosso da indústria automóvel. E ganhou!


Manuel Taboada

FERRARI EM PORTUGAL Blogspot

Facebook