O circuito

O circuito


O Circuito das 24 Horas, também conhecido como «Circuito de la Sarthe», localiza-se em Le Mans, Maine, na França, é o circuito semi-permanente mais famoso como palco das 24 Horas de Le Mans. A pista usa estradas locais que permanecem abertas ao público durante todo o ano. O circuito, na sua configuração actual, tem um perímetro de 13,629 km, tornando-se um dos circuitos mais longos do mundo.
Le Mans é uma corrida em cerca de 85% do tempo é gasto em plena aceleração, ou seja imensa pressão sobre os componentes do motor e transmissão. No entanto, os tempos passaram atingindo velocidade máxima também significa um tremendo desgaste dos travões e suspensão, como os carros devem diminuir a partir de mais de 320 km/h para cerca de 100 km/h para a curva de Mulsanne numa curta distância. A «Downforce» na era dos carros de Grupo C ajudou a travagem, até certo ponto, mas actualmente os carros tendem para um baixo «downforce» para obter velocidades mais elevadas em deterimento da potência.

Modificações do circuito

A pista, que basicamente é um triângulo de Le Mans para o sul em direcção a Mulsanne, virando para noroeste em direcção a Arnage, e regressa para o norte de novo em direcção a Le Mans, sofreu muitas modificações ao longo dos anos, com o CIRCUITO N° 14 em uso desde 2007. Mesmo com as modificações implementadas ao longo dos anos, o circuito de La Sarthe ainda é conhecido por ser muito rápido, com velocidades médias superiores a 230 km/h a serem alcançados pelos protótipos.

Na década de 1920, os carros saiam das actuais «boxes» na Rue de Laigné em direção para a cidade, depois de um gancho apertado à direita perto da ponte do rio Sarthe em Pontlieue (um gancho permanentemente removido do circuito em 1929), deixa a cidade novamente pela estrada em linha recta agora chamada de «Avenue Georges Durand», que recebeu o nome do criador da corrida. Então com 17,261 km de comprimento não pavimentados, um desvio dentro da cidade encurtou a corrida em 1929, mas somente em 1932 a cidade foi abandonada quando a secção a seguir às «boxes» passando pela ponte Dunlop e os Esses de Tertre Rouge foi adicionada. Esta configuração clássica era de 13,469 km de comprimento e manteve-se practicamente inalterada, mesmo após a tragédia de 1955. A recta da meta era assustadoramente estreita, foi alargada e rebaixada. Foram também recuadas as novas boxes, tornando assim um espaço mais amplo para a linha de reabastecimento.

A recta na zona de «boxes» tinha cerca de 3,7 m de largura (tendo sido alargada em 1956). A pista e as «boxes» não foram separados por mais 15 anos. A área das «boxes» foi modificada com um custo total de 300 milhões de francos, a área de sinalização foi movida para a saída da lenta curva de Mulsanne.

Com os carros ficando cada vez mais rápidos na década de 1960, as críticas aumentaram, especialmente quando vários pilotos tiveram acidentes fatais, muitas vezes na sessão de testes em abril. Em 1965, foi criado um circuito permanente menor, o Circuito Bugatti, partilhando as instalações do «pit lane» e a primeira curva (incluindo a famosa ponte Dunlop) com a versão mais longa. Para a corrida de 1968, a chicane Ford foi adicionada antes das «boxes» para abrandar os carros. O circuito foi montado com rails de segurança para a corrida de 1969. A secção de Maison Blanche estava propensa à crítica, uma série de acidentes desagradáveis aconteceram nesta secção rápida ao longo dos anos, como o acidente fatal de John Woolfe no seu Porsche 917 em 1969 e três Ferrari 512s (incluindo dois carros de fábrica) envolvidos numa colisão em 1970, com a última derivação anulada o destino do rápido e clássico circuito estava traçado. O circuito foi modificado mais nove vezes - em 1971 (um ano em que os protótipos obtiveram médias a mais de 240 km/h), que também foi o último ano em que o circuito clássico foi utilizado). Rails de segurança foram adicionados na linha das «boxes» para separar a pista das «boxes» e, em 1972, a última parte da pista foi reformada consideravelmente, com as rápidas curvas Porsche contornando Maison Blanche e parte da primeira recta e toda a segunda recta entre as «boxes» e Maison Blanche. Uma das curvas Porsche era carinhosamente chamada de "Maison Blanche" e uma pequena recta com uma ligeira curva e duas chicanes antes das «boxes» chamadas de «Curvas Ford» foram adicionados.

Em 1979, devido à construção de uma nova estrada pública, o sector de Tertre Rouge tinha de ser mudado. Este redesenho criou uma curva mais rápida de duplo «apex», bem como a necessidade da remoção da segunda ponte Dunlop. Em 1986, por causa da construção de uma nova rotunda na curva de Mulsanne, uma nova parte da pista teve que ser construída de modo a evitar a rotunda. Isto criou uma ligeira direita antes da curva de Mulsanne. Em 1987, uma chicane foi adicionada à muito rápida curva Dunlop onde os carros passavam por debaixo da ponte Dunlop a 290 km/h, hoje passam a cerca de 180 km/h.

Em 1990, duas chicanes foram adicionadas na recta das Hunaudières, e em 1994, a chicane Dunlop foi reforçada, em 2002, a descida para os ESSES foi renovada por causa de uma reconstrução do circuito Bugatti. O circuito de Le Mans foi alterado entre a Ponte Dunlop e os ESSES, com a recta a tornar-se uma sequência de curvas rápidas. Este «layout» permitiu uma melhor transição do circuito de Le Mans para o circuito Bugatti. Com esta mudança seria necessário recolocar a famosa roda gigante, tendo sido transferida para as curvas Porsche, e em 2006, o ACO reconstruíu a área ao redor da curva Dunlop e Dunlop Chicane, tornando toda esta àrea num segmento mais lento, ao mesmo tempo, transformando a Chicane Dunlop num conjunto maior de curvas. Como parte do desenvolvimento, foi criada uma extensão da saída do «pit lane» para motos que utilizam o circuito Bugatti. Esta segunda saída do «pit lane» re-entra na pista logo depois da Chicane Dunlop e antes da Ponte Dunlop.

O circuito de Le Mans foi mais famoso pela sua longa recta com 6 km de comprimento, chamada "Ligne Droite des Hunaudières", sendo uma parte do route départementale (do departamento de La Sarthe) D338 (anteriormente Route Nationale N138). Como a recta das Hunaudières levam à aldeia de Mulsanne, muitas vezes são chamadas de recta Mulsanne (Mulsanne Straight em Inglês), embora o «Route du Mulsanne» liga a Arnage. O Porsche 917 de cauda longa tinha alcançado 380 km/h, mas depois disso as cilindradas dos motores foram reduzidas e limitadas, a velocidade máxima foi sendo reduzida até que o Grupo C permitiu motores turbo mais potentes. As velocidades na recta pelos protótipos do Grupo C atingiram mais de 400 km/h durante o final da década de 1980 (mais própriamente 405 km/h em 1988, e a combinação de alta velocidade e alta pressão aerodinâmica causaram falhas de pneus e de motor, já que este circuito foi extremamente exigente para ambos os pneus e motores antes de 1990. Devido a questões de segurança após as velocidades extremamente elevadas atingidos no final da reta e uma série de acidentes terrivelmente violentos, às vezes fatais na década de 1980 (Jean-Louis Lafosse em 1981 e Jo Gartner, em 1986), duas chicanes igualmente espaçadas foram adicionados à recta antes da corrida de 1990 para limitar a velocidade máxima. As chicanes foram adicionados em 1990, também porque a FIA decretou que para não sancionar o circuito, não podia ter uma recta de mais de 2 quilómetros. Estas chicanes foram baptizadas pelos patrocinadores Forza Motorsport (Actualmente Chicanne Playstation) e Michelin. A velocidade média mais rápida na volta de qualificação caiu de 249 para 243 km/h em 1993, e voltou a subir em 2008 para os 247 km/h, não muito longe dos melhores de sempre 250 e 251 kmh definido pelo o Porsche 917 e 956. Em relação ao recorde de volta mais rápida em corrida, em 2008 obteve-se o valor mais elevado de sempre, 246.068 km/h.

  • 1906
    (103.18 km)

    O primeiro desenho da pista para a corrida de 24 horas estava completamente diferente do utilizado pelo primeiro Grande Prêmio de França em 1906 realizado entre 26 e 27 de Junho nos arredores de Le Mans. Tinha um perímetro de 103.18 km.


  • 1923-1928
    (17.262 km)

    A pista inteiramente composta de vias públicas ao sul da cidade aventurou-se para os subúrbios, tanto quanto o gancho de Pontlieue.

    Recorde de distância foi obtido pelos vencedores de 1928: 2,669.27 km, velocidade média: 111,219 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1928 por Henry Birkin no Bentley 4,5 litros, com um tempo de 08:07, uma velocidade média de 127,604 km/h.

  • 1929-1931
    (16.340 km)

    A pista foi encurtada por razões de segurança para evitar os subúrbios da cidade, que se expandiram rapidamente. A nova estrada de ligação construído às custas do A.C.O. foi chamada de "Rue du Circuit".

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1931: 3,017.65 km, velocidade média: 125,735 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1930 por Henry Birkin em Bentley "C" Blower, com um tempo de 06:48, uma velocidade média de 144,362 km/h.


  • 1932-1955
    (13.492 km)

    A pista foi novamente reduzida com uma nova secção ligando a recta da meta e Tertre Rouge na estrada de Tours. A secção inclui a construção das famosas pontes Dunlop.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1955: 4,135.38 km, velocidade média: 172,308 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1955 por Mike Hawthorn no Jaguar tipo D, com um tempo de 4:06.60, uma velocidade média de 196,963 km/h.


  • 1956-1967
    (13.461 km)

    No rescaldo do acidente de 1955, toda a área da recta da meta foi reconstruída. Largura da esteira e modificações do «pit lane» levou a uma mudança na curva Dunlop, encurtando a pista por 31 metros.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1967: 5,232.90 km, velocidade média: 218,038 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1967 por Denny Hulme e Mario Andretti (ambos em Ford Mk IV) com um tempo de 3:23.60, uma velocidade média de 238,014 km/h.


  • 1968-1971
    (13.469 km)

    Para reduzir as velocidades após a recta da meta, foi criada uma chicane imediatamente antes da entrada das boxes. Chamada de Curvas Ford, a pista estava directamente ligada a Maison Blanche.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1971: 5,335.31 km, velocidade média: 222,304 kmh.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1971 por Jackie Oliver no Gulf Porsche 917LH com um tempo de 3:18.40, uma velocidade média de 244,387 kmh.


  • 1972-1978
    (13.640 km)

    Uma nova secção foi construída no segmento entre Arnage e Maison Blanche, contornando Maison Blanche por completo. Juntando-se à pista existente com as Curvas Ford.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1978: 5,044.53 km, velocidade média: 210,188 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1978 por Jean-Pierre Jabouille no A443 Renault com um tempo de 3:34.20, uma velocidade média de 229,244 km/h.


  • 1979-1985
    (13.626 km)

    Devido à construção de uma nova estrada pública, Tertre Rouge teve de ser modificada, transformando a curva em ângulo recto numa curva dupla mais rápida, mas mais complexa. Foi removida a segunda Ponte Dunlop.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1985 : 5,088.51 km, velocidade média: 212,021 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1985 por Jacky Ickx no Rothmans Porsche 962 com um tempo de 3:25.10, uma velocidade média de 239,169 km/h.


  • 1986
    (13.528 km)

    A curva de Mulsanne foi modificada para evitar uma nova rotunda que tinha sido construída para reduzir os acidentes no cruzamento. A nova curva é um pouco antes da curva original, ligeiramente deslocada.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1986: 4,972.73 km, velocidade média: 207,197 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1986 pelo Joest Porsche 956 de Ludwig, Barilla e 'Winter' com o tempo de 3:23.3, uma velocidade média de 239,551 km/h.


  • 1987-1989
    (13.535 km)

    Devido ás velocidades excessivas atingidas pelas motos na abordagem à ponte Dunlop, a curva Dunlop foi alterada e uma chicane instalada antes da ponte, as velocidades abrandaram drasticamente.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1988: 5,332.79 km, velocidade média: 221,622 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 1989 pelo TWR Silk Cut Jaguar de Alain Ferté com um tempo de 3:21.27, uma velocidade média de 242,093 km/h.


  • 1990-1996
    (13.600 km)

    A recta das Hunaudières foi dividida em três secções, com a introdução de duas chicanes opostas para cumprir uma directiva da FIA sobre o comprimento máximo das rectas em circuitos. A entrada do «pit lane» foi redesenhada tendo em conta o novo complexo de boxes para 1991.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 1993: 5.100,00 km, velocidade média: 213,358 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida 1993 por Eddie Irvine em Toyota TS010 com um tempo de 3:27.47, uma velocidade média de 235,986 km/h.


  • 1997-2001
    (13.605 km)

    Uma ligeira alteração da chicane Dunlop, passando a curva para mais longe da ponte para receber uma escapatória de gravilha maior, principalmente para a segurança das motos.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 2000: 5,007.988 km, velocidade média: 208,666 km/h.

    Volta mais rápida foi criado durante a corrida 1999 por Ukyo Katayama na Toyota GT-One com um tempo de 3:35.032, a uma velocidade média de 227,771 km/h.

    Para 2001, a bossa no final da recta das Hunaudières foi reduzida como parte das recomendações da FIA, na sequência de acidentes na Mercedes em 1999, mas isso não afectou o «layout».


  • 2002-2006
    (13.650 km)

    A grande mudança é entre a Ponte Dunlop e os Esses com a descida a ser substituída por uma série de escapatórias para facilitar uma melhor entrada para o circuito Bugatti.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 2006: 5,187.00 km, velocidade média: 215,409 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 2006, pelo Audi R10 de Capello, Kristensen e McNish, com um tempo de 3:31.211, a uma velocidade média de 230,182 km/h.


  • 2007-2017
    (13.629 km)

    Correcção da curva de Tertre Rouge, alisando para fora do vértice numa curva mais fluida para o início da recta das Hunaudières.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 2010: 5,410.71 km, velocidade média: 225,228 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 2010 pelo Peugeot 908 de Panis, Lapierre e Duval com um tempo de 3:19.074, a uma velocidade média de 246,463 km/h.


  • 2018
    (13.626 km)

    Correcção das curvas Porsche. A linha de partida avança 145 metros mas a chegada manter-se-à no mesmo local. Esta altaração tende a evitar que quando seja dada a partida ainda estejam carros a chegar às curvas Ford.

    Recorde de distância obtido pelos vencedores de 2018: 5,286.36 km, velocidade média: 220,100 km/h.

    Volta mais rápida foi obtida durante a corrida de 2018 pelo Toyota TS050 de Buemi, Nakajima e Alonso com um tempo de 3:17.658, a uma velocidade média de 248,200 km/h.


Album Fotográfico

1925
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Asfaltamento da recta das Hunaudières

1932
© Gil
Recta da Meta

1932
© Gil
Curva "Dunlop"

1932
© Gil
Vista descendente dos Esses de Tertre Rouge

1932
© Gil
Saída dos Esses de Tertre Rouge

1932
© Gil
Entre os Esses e Tertre-Rouge

1932
© Gil
Chegada a Tertre-Rouge

1932
© Gil
No meio das Hunaudiéres?

1932
© Gil


1932
© Gil
Mulsanne

1932
© Gil
Mulsanne

1932
© Gil
Provávelmente entre Mulsanne e Indianápolis

1932
© Gil
Arnage

1932
© Gil
Penso que seja entre Arnage e a actual curva Porsche

1932
© Gil
Regresso à tribuna

1939
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1946
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1949
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Recta da meta e boxes

1949
Cedido por Planeta de Agostini


1952
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
«Maison Blanche» e recta da meta

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Entrada principal

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Esses

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Recta da meta e boxes

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Tertre Rouge

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Indianápolis

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
«Maison Blanche»

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Entre «Maison Blanche» e a recta da meta (1)

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Entre «Maison Blanche» e a recta da meta (2)

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Tertre Rouge

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Arnage

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Bancada principal

1955
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1956
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1960
© Lance Miller
Recta da meta e bancada principal

1968
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Sport auto n°82 11/1968
Recta da meta e bancada principal

1970
© Autosports Marketing Associates, Ltd
Bancada principal

1970
© Autosports Marketing Associates, Ltd


1970
© Autosports Marketing Associates, Ltd


1970
© Autosports Marketing Associates, Ltd


1970
© Autosports Marketing Associates, Ltd
Recta da meta e bancada principal

1972
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1972
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Tertre Rouge

1976
© Autosports Marketing Associates, Ltd


1976
© Autosports Marketing Associates, Ltd


1976
© Autosports Marketing Associates, Ltd


1977
© Docs Le Mans


197?
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Descida para os Esses de Tertre-Rouge

1981
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Curva Dunlop

1981
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1992
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1993
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1996
Cedido por Planeta de Agostini


1996
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


1999
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Recta da meta

2001
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


2006
© Pedro Dias
Entrada principal

2007
© UltimateCarPage


2008
© UltimateCarPage


2009
© Nuno Alexandre Jorge


2009
© Nuno Alexandre Jorge


2009
© Nuno Alexandre Jorge


2009
© Nuno Alexandre Jorge


2009
© Nuno Alexandre Jorge
Chicane Ford

2010
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Tertre Rouge

2010
Cedido por Bo Frederiksen


2010
Cedido por Bo Frederiksen


2011
© lemans-history.com


2011
© UltimateCarPage


?
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Mulsanne

?
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte
Chicane Ford

?
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


?
© Autor desconhecido caso conheça pf contacte


Textos de ACO, Traduções de Luis Santos
Facebook