Resumo da corrida

Resumo da corrida

 1958  1960 

Desde 1931, data da sua primeira presença em Le Mans, que a Aston Martin esperava uma vitória gue nunca conseguiu alcançar. Com a derrocada da Ferrari, a marca inglesa ofereceu a si mesma uma, soberba dobradinha.
 

Uma terceira classificação surgíu em Le Mans pela primeira vez. Depois das classificações da distância e do índice de desempenho, inaugurou-se a do índice energético. Este modo de cálculo partÍcularmente complicado, que integra a cilindrada, o peso, a média em km/h, o consumo teórico ou o consumo real no fim das vinte e quatro horas da prova, deu a ganhar este novo troféu ao DB Panhard de Bernard Consten e Paul Armagnac. O DB também venceu no índice de desempenho graças a René Cotton e Louis Cornet. Outra estreia em 1959 foÍ a época de ensaios preliminares que teve lugar em Abril. Tinha como finalidade permitir às equipas e aos pilotos aperfeiçoarem as regulações da mecânica. O que se constatou era indiscutível: manifestamente, os Jaguar, até então majestosos, mostraram-se um pouco ultrapassados, enquanto os Ferrari TR oficiais se apresentaram diabolicamente rápidos. Mas foi a Aston Martin que líderou a corrida durante a primeira hora, graças a Stirling Moss, mas a Ferrari depressa ganhou a dianteira com o TR de Jean Behra (que aproveitou para bater o recorde da volta mais rápida) e Dan Gurney. Infelizmente, a transmissão do perrari atraíçoou-os, obrígando-os a entregar o comando ao Aston Martin de Shelby/Salvadori e depois ao Ferrari TR nº 14 de Phíl Hill/Olivier Gendebien, que também se deixou abater depois de um sobreaquecimento. Os três carros da Scuderia foram assim eliminados (o de Hermano da Silva Ramos/Cliff Allison com uma ruptura na caixa), deixando para a Aston Martin uma excelente dobradinha. Felizmente para a Scuderia, quatro GT conseguiram ocupar da 3ª à 6ª posição.

Não há dúvida que nas 24 Horas de Le Mans se forjaram algumas das lendas do desporto automóvel, mas não é menos verdade que também foram o cenário de vocações confirmadas. Assim sendo, ao percorrermos a lista dos inscritos, encontramos pela primeira vez um piloto que viria a ser um dos grandes da Fórmula 1. Sob a direcção de um certo Colin Chapman, que descobrira nele um talento fora do comum, o jovem Jim Clark entrou em grande na corrida dos melhores. Acabou num muito honesto 10º lugar da classificação geral, e fez parte das 13 equipas à chegada das cinquenta e três que partiram. Mas, acima de tudo, conseguiu acabar no 2º lugar da categoria 1100-1500 cc com John Whitmore no seu Lotus Elite.


Lendas de Le Mans
Planeta de Agostini
Facebook