Resumo da corrida

Resumo da corrida

 1967  1969 

Os organizadores podiam prever uma certa diminuição do público por causa da chegada recente dos transístores miniaturizados, mas, rnesmo assim, cerca de 350 000 espectadores acomodaram-se em redor do circuito das 24 horas de Le Mans nos dias 28 e 29 de Setembro de 1968.
 

Facto único na história das 24 Horas de Le Mans, a corrida teve lugar em finais de Setembro por causa dos acontecimentos de Maio de 68. Depois da Ford ter acabado com a hegemonia da Ferrari na primeira metade da década, o público compareceu em massa para assistir a um duelo que alguns adivinhavam acirrado entre as marcas americana e italiana. Os franceses, por seu lado, sentiam alguma curiosidade em ver o comportamento dos Alpine que, apesar da sua fraca cilindrada, já tinham dado um ar da sua graça no ano anterior. Apresentaram-se onze Alpine e o que mais chamou a atenção foi o A 220, equipado com o novíssimo V8 de 3 litros engendrado pelo Amédée Gordini. Mas a Porsche a Alfa Romeo também estavam preparadas para deixarem boas recordações aos fãs das emoções, decididas a partilhar do banquete prometido às duas marcas favoritas. o limite nos 5 litros de cilindrada dava esperança aos apoiantes das diversas marcas, mas os frïosi, incondicionais do Cavallino Rampante, sonhavam em segredo com a vingança face aos bólides vindos do outro lado do Aflântico.

Mas não ganharam para as despesas, já que o único que sobrou da Scuderia foi o 250 LM, pilotado por dois ingleses, que conseguiu um medíocre sétimo lugar. os virtuosos Rodriguez e Bianchi também travaram um combate rude pela Ford, com um único carro à chegada, que não deixou de acabar em primeiro lugar. lnexoravelmente, a Porsche aproximou-se da vitória final, ao cornpletar o pódio com um 907 e um 908 que terminaram praticamente ao mesmo tempo. Os Alfa Romeo da Autodelta fizeram mais do que se defender, mas ainda não foi desta que conseguiram reencontrar o lustro que os fez brilhar de 1931 a 1934.

Os Alpine conseguiram um formidável resultado conjunto ao monopolizarem o pódio da classe 1001-1500 cc e ao colocarem cinco carros nos quinze primeiros lugares da classificação geral. Sem conseguirem levar a luta até ao fim contra os protótipos, as pequenas berlinas azuis abriram caminho para o ano seguinte a uma firma que depressa se tornaria uma marca de ponta no meio dos automóveis desportivos franceses: a Matra.


Lendas de Le Mans
Planeta de Agostini
Facebook